Comentários

21/03: Visita à Cervejaria Schornstein

No começo do ano eu fiz uma visita à Cervejaria Schornstein, em Pomerode-SC. Quando retomei o blog, queria fazer um post sobre a visita, mas infelizmente não tinha tirado nenhuma foto para ilustrá-lo.

Felizmente, no último sábado, recebi um convite do Thomas. O Thomas é um alemão, radicado em Braga, Portugal, que conheci através do forum do site Cervejas do Mundo. Ele possui uma cervejaria caseira, a Benedictum Cerveja Artesanal, e trabalha como consultor na área têxtil, o que o trouxe à Santa Catarina por algumas semanas.

Cervejaria Schornstein

Eu estava mesmo com vontade de fazer um passeio, então falei com minha namorada Andrea, que topou na hora, e fomos para Pomerode. Chegando lá, encontramos Thomas já falando com o José Carlos, que é o responsável pela produção da cerveja mais alemã do Brasil. Visitamos as instalações onde a cerveja é fabricada, o que eu não tinha feito na ocasião da minha primeira visita.

Cervejaria Schornstein

Fiquei surpreso e contente em saber que, com menos de um ano de vida, a Schornstein já triplicou sua capacidade de produção, e ainda assim já está operando no máximo da sua capacidade. O que prova que uma microcervejaria pode ser um ótimo negócio, e garante que elas vieram para ficar.

Thomas, Andrea e Ricardo

Depois de conversar com José Carlos, sentamos (eu, a Andrea e o Thomas) em uma mesa do bar, para saborear os chopps da casa. A Schornstein oferece 4 tipos de Chopp: O Trink Bier Natural, que é um Pilsen não-filtrado, o Trink Bier Cristal, a versão filtrada do Pilsen, o Pommern-Bier, que é do tipo Bock, e o Schorn-Bier, do tipo Pale Ale. Com exceção do Cristal, que é muito leve e sem graça, os demais são excelentes, e foram aprovados pelos 3 degustadores.

Quanto ao Cristal, o José Carlos nos explicou que eles temiam que a versão não-filtrada do Pilsen fosse rejeitada, e por isso criaram a versão filtrada também, mas que hoje a grande maioria prefere o Natural. Eu acho que a Schornstein deveria esquecer o Pilsen filtrado, e criar mais um tipo de cerveja. O Thomas sugeriu uma Weizen, após ter observado que aqui no Brasil essa cerveja é bastante apreciada.

Chopps Pale Ale, Bock e Pilsen Natural

Em relação ao bar da fábrica, posso afirmar que o atendimento é excelente, assim como a comida. Almoçamos lá na primeira vez que fomos, e estava ótimo. Dessa vez o Thomas pediu um Hackapetter, especialidade da casa, feita com carne crua e condimentos, e preparada com maestria na própria mesa onde é servido com pão integral típico alemão. Não é ruim, mas não consegui abstrair o fato de estar comendo carne crua, e só comi uma fatia de pão. A Andrea nem quis provar, e o Thomas acabou comendo todo o resto sozinho.

Hackapetter

Resumindo, a Cervejaria Schornstein vale uma visita (no mínimo, eu pretendo fazer várias), com certeza. Além da cervejaria, pode-se conhecer a simpática Pomerode. Quem é de longe pode também aproveitar e, na mesma viagem, conhecer as vizinhas Timbó, Indaial, Blumeau e Brusque, todas com pelo menos uma cervejaria, fazendo um verdadeiro circuito cervejeiro pelo Vale do Itajaí.

Também valeu muito a pena trocar idéias sobre o pão liquido com o Thomas. Foi muito interessante encontrar outro apreciador de cervejas.


Comentários

Show de bola esse passeio.
Meu irmão Bon Vivant hehehe
Abraço
22/03 21:33:09
Excelente história, boas fotos e um claro sinal de como a cerveja pode unir povos!!!

Caro Ricardo, fico feliz por ver que você está actualizando o seu site com frequência. Não fora ele, e não me teria lembrado de comemorar convenientemente o St. Patrick's Day, o que seria uma lástima! Lá tive de tratar de umas Guinness e Kilkenny, sempre acompanhadas de boa música irlandesa!

Forte abraço.
25/03 20:56:32
Legal, Bruno. Fico feliz que tenha lido o post a tempo de comemorar o St. Patrick's Day. Aliás, você notou nas fotos de Pomerode que eu e a Andrea estávamos de verde? Pois é, nós também fomos irlandeses no dia 17/03. :)

Abraço.
26/03 10:26:37

Comentar

Este post não permite comentários