Comentários

22/09: Cerveja I - Introdução

Esse é o primeiro de uma pequena série de posts sobre cervejas, que devo estar publicando aqui nos próximos dias. Aprecie sem moderação.

Eu tenho fama entre meus amigos de ser um conhecedor de vinhos. Na verdade eu sei apenas o suficiente para impressionar os leigos. E apesar de realmente apreciar um bom vinho, minha bebida preferida sempre foi a cerveja.

Porém as cervejas, no Brasil, sempre foram muito parecidas. No mercado nacional, sempre dominou a cerveja do tipo Pilsener e, apesar de até se encontrar outros tipos de cerveja, como a Malzbier, Bock e a Stout, as opções sempre foram poucas.

Enquanto isso, nos vinhos havia, e ainda há, muitas opções: Brasileiros, argentinos, chilenos, Cabernet Sauvignon, Merlot, Malbec, entre outros. Enquanto isso as cervejas nacionais ficavam cada vez mais fracas, aguadas e sem gosto. Por isso, por um bom tempo, mergulhei no mundo dos vinhos, porém sem deixar de beber minha cervejinha, é claro.

Até que eu conheci a Eisenbahn. Uma microcervejaria, sediada a 200km da minha casa, que fornecia, até então, 4 diferentes tipos de cervejas: a tradicional Pilsen, a escura Dunkel, a deliciosa Pale Ale e a de trigo, Weizenbier.

Desde então, me interessei por conhecer outros tipos de cerveja. Comecei a ler sobre cervejas de alta e baixa fermentação, comecei a procurar por novos tipos e marcas de cerveja para experimentar, e passei também a acompanhar um fenômeno que está acontecendo no país, e eu nem tinha notado: o nascimento das microcervejarias.

Comentários

Lamentavelmente as cervejas tradicionais passaram a ficar cadas vez mais fracas e aguadas. Deve ser o gosto da maioria. A Kaiser, por exemplo, trocou uma cerveja de melhor qualidade pela Nova Kaiser, buscando o estereótipo mais comum. Das tradicionais, ainda bem que existem a Brahma Extra e a Kaiser Gold. E a Bohêmia.Mas tudo é uma questão de gosto. Mas, aqui para nós... Um bom vinho... Cabernet, Carmenère, merlot, syrah, malbec, os de bom corte...
Mas, fazer o quê, não ? se in vino veritas, in cerevisia felicitas...
22/09 11:23:01
Um bom vinho realmente é indispensável. Mesmo porque uma coisa não necessáriamente substitui a outra. Tanto o vinho quanto a cerveja têm sua hora e local apropriados.

E em relação às cervejas tradicionais estarem cada vez mais parecidas, isso é um fenômeno mundial. Todas vão pelo mínimo múltiplo comum, e não se arriscam a oferecer um sabor diferenciado, com medo de serem rejeitados pelo mercado.
22/09 11:53:25

Comentar

Este post não permite comentários