16/04: Debatendo o Aborto.

Novamente a discussão sobre a descriminalização do aborto está em pauta no blog O Biscoito Fino e a Massa.

Eu sou contra, como já escrevi aqui, e no próprio Biscoito. E você?

Vá até o Biscoito, e entre no debate!


20/01: Adeus, educação!

Câmara aprova proibição de castigo físico em crianças e adolescentes

Pronto, agora danou-se. Se a gurizada já anda mal-educada agora, imagine sem o relho.

Ah, e eu não sabia que educação era "trauma".


28/10: Roupas de Vitrine

A Luciana, nesse post, falou que a maioria de suas roupas são "de vitrine". Roupas de vitrine são aquelas que você vê na vitrine da loja, gosta e compra, mesmo que não esteja precisando.

Eu também tenho algumas "roupas de vitrine". Um sobretudo, uma jaqueta, entre outras.. Não são maioria, como as da Luciana, mas existem.

Por trabalhar em um parque tecnológico, que fica longe do centro, e nunca acordar antes do meio-dia no sábado, dificilmente eu passo por lojas de roupas.

Por isso, normalmente, eu compro roupas no Shopping Itaguaçu, que fica perto da minha casa, e as lojas funcionam em horários adequados às minhas necessidades.

Por isso todas as "roupas de vitrine" que eu possuo vieram do Shopping. A história é sempre parecida: eu fui no Shopping para ir no cinema, ou apenas tomar um chopp e ver o movimento, passei por uma loja de roupas e vi algo na vitrine que me agradou. As vezes comprei o item na mesma hora, em outras, voltei depois de alguns dias e fechei o negócio.

O problema é que agora o Shopping Itaguaçu resolveu seguir o exemplo do Beiramar Shopping, e começou a cobrar o estacionamento.

Assim, obviamente, agora eu só vou lá em caso de absoluta necessidade. Não vou mais lá para passear, quando não tenho nada mais para fazer. E o Itaguaçu também perdeu seu diferencial em relação ao Beiramar que, se é mais longe de casa, pelo menos fica no caminho pro trabalho.

De qualquer forma, a redução nas minhas incursões ao Shopping, (não que fossem muitas), reduz drasticamente a chance de eu achar algo na vitrine que me leve a comprar por impulso. Perdem as lojas, com certeza. Já eu deixo de gastar dinheiro com roupas desnecessárias, e posso torrar tudo em cerveja.

PS I: Pra quem não conhece, aqui em Florianópolis e região, só existem dois shoppings: O Beiramar, em Florianópolis, e o Itaguaçu, em São José. Outros dois estão sendo construídos no momento.

PS II: Depois que o estacionamento começou a ser cobrado, duas lanchonetes das mais tradicionais do Shopping Itaguaçu fecharam as portas, após mais de uma década de funcionamento. Coincidência?


27/10: Notícias e Comentários III

Leitura de blogs tira 4 bilhões de horas de trabalho nos EUA

Ainda bem que no Brasil ninguém acessa Blogs em horário de expediente, não é?

Sox faturam World Series após 88 anos

Essa com certeza é mais uma Trombeta do Apocalipse!

Homem diz que é Super-homem e salta de prédio

Para baixo, e avante!

20/10: FotoDOG?

Pois é, até isso já inventaram: O FotoDOG. Um fotolog pra cachorro! Era só o que me faltava!

Pois eu acho que isso é um absurdo, uma discriminação sem tamanho! E os gatos, tartarugas, hamsters, papagaios e tamagochis? Por que não criar um FotoPET?

Ou agora só cachorro "também é gente"?


18/10: Notícias e Comentários II

Cientistas obtêm células-tronco sem destruir embriões

Viu, se esses religiosos não tivessem "enchido o saco", ninguém se preocuparia em desenvolver essa técnica. Se isso funcionar mesmo, será possível agradar a gregos e troianos. Ou não.

Greenpeace diz que há relação entre seca no Amazonas e desmatamento

E o prêmio Óbvio Ululante de 2005 vai para...

Público pagante bate recorde na 22ª Oktoberfest

É, parece que o negócio está bom por lá! Um amigo já foi, e voltou falando bem. Essa semana eu não posso deixar de ir. Mesmo porque é a última.

Preso processa Deus por quebra de contrato

Quando você acha que já viu tudo nesse mundo...


15/10: Referendo

Essa charge do Maurício Ricardo sobre o referendo é realmente sensacional. Diz tudo.

11/10: Notícias e Comentários

Comerciantes dizem que venda de armas já é fraca

Se o governo quisesse realmente acabar com a violência, em vez de gastar uma fortuna nesse referendo, investia esse dinheiro em educação e segurança pública. Mas parece que o que vale mesmo é panis et circences.

Muda o comportamento dos foliões da Oktoberfest

Parece que as microcervejarias locais estão fazendo sucesso por lá, comprovando que a decisão de incluí-las no evento foi acertadíssima. Ainda não fui, mas pretendo ir. Ein Prosit.

Papais Noéis passarão por controle de qualidade

Foi só eu confessar que ganhei uma metralhadora de brinquedo do Papai Noel, que já querem enquadrar o pobre velhinho.

10/10: Armas, nem de brinquedo?

Nós na Rede

Em mais uma ação de blogagem coletiva, o grupo Nós na Rede, decidiu hoje falar do referendo sobre a proibição de vendas de armas no Brasil. Eu já escrevi sobre o assunto na semana passada, mas para não ficar de fora da brincadeira, e apesar de não fazer parte do grupo, decidi hoje falar sobre outro desarmamento: o desarmamento infantil.

Por todo o Brasil, a campanha "Armas, nem de brinquedo", vêm ganhando força. Armas de brinquedo têm sido trocadas por outros brinquedos, livros e gibis, em todo território nacional. E o estatuto do desarmamento, aprovado em 2003, proíbe a fabricação, importação e comercialização de armas de brinquedo no Brasil.

Um dos argumentos para essa proibição seria a de que armas de brinquedo eram utilizadas por criminosos, pois eram identicas às originais. Seguindo essa lógica, nada mais justo que banir as réplicas, mas muitas armas de brinquedo podiam ser facilmente identificadas como falsas.

O problema é que muita gente acha que é errado permitir que crianças brinquem com armas de brinquedo. Cria-se uma cultura do desarmamento, dizem uns. Outros acreditam que a criança pode gostar do "suposto poder" que arma traz.

Besteira.

Leia Mais!

04/10: Referendo

Eu Voto Não!

No dia 23 de outubro, os eleitores brasileiros deverão ir às urnas, para aprovar ou não a proibição de venda de armas de fogo no Brasil. Eu vou votar NÃO.

Os defensores da proibição argumentam que possuir revólveres em casa aumenta o risco. Segundo eles, na tentativa de resistir a um assalto, o cidadão estaria aumentando suas chances de se ferir ou até morrer. Porém a legítima defesa é um direito constitucional do cidadão, e é ele quem deve decidir se deve arriscar ou não.

E a dúvida se há ou não armas em uma residência pode levar ao assaltante a opção por invadir uma residência em horário que ele sabe que não haverá ninguém em casa, ou mesmo trocar de alvo. Ladrões calculam risco, como qualquer profissional. Tenho alarme no carro, e ele não impediu que o mesmo fosse arrombado. Mas se tiver que escolher entre dois carros, um com e outro sem alarme, o ladrão irá, com certeza, optar pelo que está desprotegido.

Outro argumento é de que a maioria dos crimes cometidos com armas de fogo é causada por pessoas conhecidas. Tecnicamente, porém, um traficante rival pode ser uma pessoa conhecida. E violência familiar acontece com ou sem a presença de armas de fogo.

A grande maioria dos casos de homicídios por armas de fogo que vejo nos jornais é de pessoas ligadas ao tráfico de drogas. Execuções, acertos de contas, brigas por território, tudo ajudando para aumentar as estatísticas. Já nos casos de violência familiar, especialmente de assassinatos que acompanho nos jornais, a morte se dá por várias maneiras: Tiros, facadas, pauladas, etc.

Ou seja, em uma briga onde o cidadão perde o controle, qualquer coisa pode ser utilizada como arma. Na falta de uma arma de fogo, o assassino simplesmente vai escolher a opção que está mais à mão, como uma faca, por exemplo.

Mais um argumento é o de que a grande maioria das armas que se encontram hoje nas mãos de bandidos, um dia foram armas legais, que foram roubadas ou compradas de seus donos originais. A proibição da venda de armas iria assim dificultar o acesso dos criminosos às armas.

Pode até dificultar, mas não irá impedir. Num país onde as drogas são proibidas, mas são encontradas em qualquer esquina, onde a pirataria é crime, mas se compra CDs piratas ao ar livre, onde traficantes possuem armas que são de uso exclusivo das forças armadas, qual será a dificuldade de se colocar no mercado negro armas, de pequeno porte, contrabandeadas?

Num país com fronteiras continentais como as nossas, com boa parte dessa fronteira ser no meio da floresta, e onde o controle sobre a fronteira é quase nulo, como se controlará a entrada de armas de fogo no país?

Pra finalizar, a tentativa de se reduzir a mortalidade proibindo a venda de armas de fogo ao cidadão honesto é praticamente uma declaração de incompetência das autoridades, pois as mesmas reconhecem que são incapazes de lidar com a criminalidade, ao tentar uma medida paliativa, que não ataca o cerne do problema.

Na Suíça, praticamente 100% das casas possuem armas de fogo, entregues pelo próprio governo para que os cidadãos protejam seu país. E o número de homicídios por habitante é muito menor que o do Brasil. Ou seja, a posse de armas não significa aumento da violência. A violência tem outras causas, outras raízes.

Não dá para comparar o Brasil com a Suíça? Realmente, não dá. E enquanto nos preocuparmos apenas com os sintomas, e não com as causas de nossos problemas, vamos continuar sem poder comparar.

Hoje o cidadão brasileiro tem o direito de possuir uma arma de fogo para proteger sua vida e a vida de sua família, de uma violência que cresce a cada dia, e que nossas autoridades são incapazes de controlar. Não acredito que revogar esse direito irá melhorar em nada a situação de nosso país. Por isso voto CONTRA a proibição da venda de armas de fogo para os cidadãos de bem, já que os fora-da-lei certamente continuarão a comprá-las, independentemente do resultado do referendo.