18/01: Porque ir à Nova Iorque

Meus amigos Rodrigo e Tayze, que moram em Ottawa, no Canadá, passaram as festas de final de ano em Nova Iorque. Até aí nada demais, eles merecem. O problema foi o e-mail que o Rodrigo me mandou, após a viagem:


Subject: Brooklyn Brown Ale

Beleza, Ricardo?

Não cheguei a ir na cervejaria mas tomei essa aqui:

http://www.brooklynbrewery.com/OurBeers/OurBeers.asp?BeerID=20

Bem boa. Abraço,
Rodrigo


Um ser humano normal ficaria com inveja por eles terem passeado pelo Empire State Building, na Times Square, na Brodway, etc. Eu só consigo pensar na Brooklyn Brown Ale.


04/01: Moedas

Cinco Cruzeiros

Em 2006 o Real faz 12 anos de existência. Não é tanto tempo assim, para uma moeda, mas é tempo suficiente para desacostumar com mudança de moeda a cada ano e meio.

Mil Cruzados

Quando nasci, em 1976, a moeda brasileira era o Cruzeiro, que havia entrado em vigor em 15/05/1970. Em 28/02/1986 veio o Cruzado, que logo viria a ser substituido pelo Cruzado Novo, em 16/01/1989.

Cinquenta Cruzados Novos

O Cruzeiro ressucitou pela segunda vez em 16/01/199o, vinte anos após a segunda encarnação, e em 01/08/1993 iria virar Cruzeiro Real, já preparando para o retorno da moeda do império, que ocorreria em 01/07/1994.

Mil Cruzeiros Reais

Mas não pensem que essas moedas estão mortas! Elas ainda vivem, seja como itens de colecionadores, ou para assombrar pobres analistas de sistemas que desenvolvem um sistema inteiro trabalhando com apenas uma moeda, e de repente se deparam com esses fantasmas!

Veja as antigas cédulas brasileiras no Museu Virtual do Banco Central do Brasil!

03/11: Blue Suede Shoes

Em "lo dia de los muertos" eu pude comprovar pessoalmente que Elivs não morreu! Depois de um tempo sumido, ele agora está se apresentando com sua banda em Santa Catarina.

Terça à noite o show foi no Chicago Pub, a mais nova opção para quem gosta de boa música e uma boa variedade de cervejas em Florianópolis.

lf you´re looking for trouble you came to the right place...


31/10: Dolce Far Niente

Não fiz nada o final de semana inteiro. Só saí para comer um sanduba no sábado, e já foi muito. O resto do tempo fiquei em casa, vendo TV, lendo um livro ou tentando instalar o Captcha.

O melhor de tudo é que no domingo até que fez um dia bonito. Porque passar o dia inteiro em casa, quando o tempo está feio, não tem graça nenhuma.

Bom mesmo é, vendo alguma porcaria na TV, olhar pra fora e ver aquele dia bonito. Pensar que todo mundo está indo pra praia, passeando, e você ali, deitadão no sofá. Espetáculo!

Atualização 31/10/2005 11:30: Eu nem mencionei a ótima conversa que tive com a Luciana no sábado, e ela dedica um post inteiro pra mim. Obrigado, Luciana. Pelo post, e pela conversa.

21/10: Copa do Mundo

Ricardo:
Puxa, eu tenho que ir pra Copa da Alemanha. Não acredito que não vou. Em 2002 eu falei que ia, e agora não tenho dinheiro.

Marcos:
Pois é, mas se você tivesse feito uma poupança desde 2002, você poderia ter o dinheiro pra ir pra Copa agora.

Ricardo:
É, só que eu pensei que até 2006 eu já estaria rico. É esperar muito de QUATRO anos?


20/10: Futebol e Mulheres

2 anos atrás eu machuquei o joelho jogando futebol. Foi uma luxação patelar, e tive que ficar 3 semanas com a perna direita engessada.

Minha surpresa na época foi a reação das mulheres. Sempre que uma amiga me via, com gesso na perna, perguntava o que havia acontecido. Quando eu respondia que tinha me machucado jogando bola, elas sorriam e comentavam que só podia ter sido futebol, ou coisas do tipo. Dava a impressão que elas ficavam felizes por ter sido o futebol a causa de meu drama.

Naquela época eu jogava bola duas vezes por semana. Depois da contusão, parei completamente. Futebol era o único esporte que eu praticava, além do halterocopismo. Hoje em dia é só halterocopismo.

Então, como não poderia deixar de ser, já andei ganhando alguns quilinhos. Não é um grande problema, uma vez que eu sempre fui magro, mas eu lembro que meu irmão engordou bastante quando passou pela mesma situação.

Conclusão: Mulheres que reclamam quando a gente joga futebol não podem reclamar da barriga de cerveja, depois que a gente pára de jogar!

PS: Esse post foi inspirado por este aqui!

19/10: Ah, se eu falasse alemão!

Junto com uma boa turma de amigos, passei o reveillon de 2004 na praia da Armação do Pantano do Sul, em Florianópolis-SC. Fizemos uma boa festa na casa de praia de um amigo, com bastante comida e bebida à vontade.

Perto da meia-noite, fomos todos à praia, para ver os fogos. Ficamos um pouco por lá, e logo retornamos à casa.

Enquanto voltava, notei duas belas jovens conversando em inglês. Uma morena e uma loira. Perguntei a elas, em inglês, de onde elas eram, e a morena respondeu que era brasileira, mas que a loira era alemã. Tentei puxar uma conversa, ainda em inglês, mas a brasileira me cortou, dizendo que o irmão dela estava esperando as duas, e elas não poderiam parar para conversar, blá, blá, blá. E para finalizar, ela ainda me elogiou, dizendo que era difícil achar alguém que falasse inglês com elas.

Foi então que eu respondi que encontrar quem fala inglês é fácil, difícil era encontrar quem fala alemão. E me dirigi à loirinha, que até então não tinha falado nada, perguntando: Sprechen du Deutsche? (Você fala alemão?).

Nisso a menina abriu um sorriso enorme, seus olhos brilharam, e ela começou a falar comigo. Em alemão, obviamente.

O problema é que eu já havia gasto todo o alemão que eu tinha. Ah, se eu falasse alemão!