Comentários

28/02: Arroz na Cerveja

Budweiser - Rei das Cervejas com Arroz.

Rafael Galvão e o Hermenauta andaram duelando, (com direito a pitaco do Biajoni) sobre a adição de milho na produção do Whisky, resultando na bebida conhecida como Bourbon Whiskey. Aproveitando a deixa, vou contar a história de como os cereais não-maltados foram introduzidos na produção da cerveja.

Pra começar, é bom explicar que a limitação dos ingredientes utilizados na fabricação da cerveja a malte, lúpulo, água e levedura só se estabeleceu em 1516, com a Reinheitsgebot, Lei de Pureza da Bavária. Antes disso, muitos outros ingredientes eram utilizados na fabricação da bebida, como o rosmaninho selvagem no lugar do lúpulo, por exemplo. Porém, com o tempo a Reinheitsgebot se popularizou, e apenas os quatro ingredientes acima citados passaram a ser utilizados na a fabricação da cerveja, com algumas exceções.

Bebida muito popular na Europa Central, a cerveja não tardou a chegar à América. Na década de 1840, imigrantes alemães introduziram a cerveja lager nos Estados Unidos. No começo o consumo era restrito aos imigrantes germânicos, porém com o tempo a bebida se popularizou.

O aumento da demanda exigiu um aumento da produção, e foi aí que os imigrantes cervejeiros se depararam com um problema: O malte importado era caríssimo, enquanto que o malte produzido nos Estados Unidos era muito proteico, o que reduzia a durabilidade da cerveja. Além disso, a demanda já era muito maior que a própria produção da cevada. Os fazendeiros locais não davam conta de abastecer as cervejarias, que então passaram a procurar alternativas.

Para produzir uma cerveja mais durável e, sobretudo, mais barata, cereais não-maltados começaram a ser utilizados na produção da cerveja. O primeiro foi o milho, mas o excesso de oleosidade do mesmo influenciava no sabor da cerveja. Era possível retirar o excesso da oleosidade do milho, porém esse processo impactava no custo final da cerveja.

Muitas pesquisas e experiências com o milho foram realizadas, até que na década de 1870, surgiu em Pilsen, República Tcheca, uma cerveja lager leve e clara. Essa cerveja rapidamente fez sucesso pelo mundo inteiro, e logo tentou-se copiá-la também nos Estados Unidos. Depois de várias tentativas frustradas com o milho, chegou-se à conclusão que fabricar cervejas do tipo Pilsen com o malte americano só seria possível com a adição de arroz ou milho branco, que é menos oleoso que a variedade amarela.

Assim nasceram as cervejas do tipo Pilsen americanas. Uma das primeiras cervejarias, a E. Anheuser & Co. (depois Anheuser-Busch), adotou o arroz, e teve a idéia de batizar sua cerveja com o nome de Budweizer, de forma que ficasse claro aos seus consumidores que essa cerveja havia sido criada com o mesmo processo das cervejas de Budweiss, na República Tcheca.

Essa decisão até hoje gera polêmica, com várias batalhas judiciais sendo travadas pela companhia americana e a tcheca Budějovický Budvar, (ou Budweiser Budvar), que considera o termo Budweiser uma indicação de origem, como Pilsner ou Dortmunder.

Hoje, com as cervejarias artesanais, em alta cada vez mais cervejas puro malte estão sendo fabricadas na América. A Reinheitsgebot sempre é lembrada como garantia de qualidade do produto. Mas talvez, sem a adoção dos cereais não-maltados no final do século XIX, a fabricação da cerveja tivesse sido inviável no continente americano, e a bebida não teria se popularizado tanto por aqui.

Saúde.

Fonte: Revista All About Beer.

Comentários

e no brasil?
01/03 21:25:01
Acredito que no Brasil o uso de cereais não-maltados também se deve devido ao custo. As maiores marcas todas usam, com exceção da Bavária Premium, que é Puro Malte.

Além da Bavária Premium, várias micro-cervejarias fabricam cervejas puro malte, como a Eisenbahn, a Schmitt Bier, e a Cevada Pura.

A história da cerveja no Brasil você pode ler no site Cervejas do Mundo: http://www.cervejasdomundo....
02/03 13:36:38
Caro Ricardo

Encontrei hoje seu blog e estou gostando muito do que estou lendo. Parabéns.

Gostaria de sugerir um site para suas pesquisas e também para você poder manter um banco de dados muito bom:

http://www.ratebeer.com

Lá você poderá verificar o que o pessoal do mundo inteiro está achando de determinada cerveja. Poderá também votar naquela cerveja que você acabou de degustar. É muito bacana, tem várias informações e estatísticas. Vale a pena.

Lá as cervejas brasileiras ainda estão pouco avaliadas devido a baixa adesão dos brasileiros no site. Podemos mudar esse quadro.
05/03 12:07:43
Breno, obrigado pelos elogios. Volte sempre.
07/03 16:37:54
Sr. Ricardo, por acaso vc teria umas apostilas para fabricação de cerveja caseira?

Muito Obrigado pela atenção e boa semana
09/03 09:42:10
Informações sobre a produção de cerveja caseira pode ser obtida nos sites http://www.cervejando.com/ e http://www.cervejaartesanal...

Obrigado por prestigiar o blog.
09/03 10:13:09

Comentar

Este post não permite comentários