Comentários

04/03: Dinheiro? Pra que dinheiro? - Parte II

Em julho de 2003, o magnata russo Roman Abramovich comprou o clube inglês Chelsea. No começo a torcida ficou desconfiada com as intenções de Roman, mas a desconfiança começou a virar euforia, quando o mesmo começou a gastar milhares de dólares, com o objetivo de colocar os Blues de Londres entre as maiores equipes do mundo.


Apesar dos altos investimenos, o Chelsea viu na temporada 2003/2004 seu principal rival dominar a liga inglesa. Algumas de suas milionárias contratações não fizeram boa temporada, como os argentinos Verón, que ficou afastado da maior parte dos jogos por contusão, ou Crespo, que não se firmou no time do técnico Hector Cúper.

Porém, apesar de não ter conseguido nenhum título, o Chelsea não fez feio. Foi vice-campeão inglês, e chegou às semi-finais da UEFA Champions League, eliminando o rival Arsenal nas quartas.

Esses resultados poderia ser considerados ótimos para um time ainda em formação, pois dinheiro nenhum no mundo pode comprar entrosamento. Mas Abramovich queria títulos de qualquer maneira, e por isso resolveu abrir a carteira novamente, contratando para a nova temporada um novo técnico, o português super-campeão José Mourinho, e mais uma leva de jogadores, entre eles o trio português formado pelos zagueiros Ricardo Carvalho e Paulo Ferreira, e o meia Tiago, destacando também o meia holandês Arjen Robben, e o atacante marfinense Didier Drogba.

Com as novas contratações, o Chelsea já conquistou seu primeiro título da "era Abramovich", a Copa da Liga Inglesa, (Carling Cup), e ruma para a conquista da liga inglesa.

Os títulos são necessários para justificar o enorme investimento realizado, uma vez que o clube vêm operando no vermelho, e não pode correr o risco de acabar como o Leeds United, ou o Borussia Dortmund, equipes que investiram muito dinheiro em passado recente, mas não conseguiram as conquistas esperadas, o que acabou as deixando em situação financeira complicadíssima, sendo que o segundo está à beira da falência.



Comentários

Nenhum comentário

Comentar

Este post não permite comentários